Cachorro comendo cocô? Entenda o que é a coprofagia e saiba como evitar

Pode causar repulsa imaginar que cães comem fezes. Embora provoque estranhamento e aversão em nós, é algo que acontece com frequência, por diferentes fatores.

Um dos motivos é a falta de nutrientes no organismo. Outro é a imitação: fêmeas costumam lamber suas crias para deixá-las limpinhas, e o animal, durante seu desenvolvimento, tende a fazer o mesmo, afirma a veterinária Bárbara Scherer, da DrogaVET.

Mas esse comportamento pode ser prejudicial à saúde do pet, já que ele corre o risco de  ingerir parasitas, bactérias e vírus com os dejetos.

*

O que é a coprofagia?  É o hábito que muitos cachorros adquirem de comer suas próprias fezes.

Por que o cachorro come as fezes? Uma das causas é possivelmente por mímica: filhotes veem a mãe se livrando dos dejetos para limpar o recinto, e então, durante seu desenvolvimento, o animal tende a fazer o mesmo. Outro motivo é a falta de nutrientes no organismo, seja por ausência de vitaminas devido à alimentação empobrecida ou por doenças parasitárias. O convívio com felinos também pode levar o cão a se interessar em ingerir excrementos. O gato é bastante exigente em termos de palatabilidade dos alimentos, por isso as rações comerciais têm bastante proteína —o que não é absorvido pelo gatinho sai em suas fezes, despertando o interesse do cão.

É uma doença ou um hábito? Pode ser uma condição temporária ou hábito. O importante é não “deixar pra lá” porque pode ser prejudicial à saúde do cão. Usando as ferramentas certas, é possível reverter a situação.

Há relação com raça? A coprofagia é mais comum em raças pequenas porque, nesses casos, os filhotes são mantidos em ambientes pequenos e restritos junto com a mãe, que limpa as próprias fezes e a dos bebês caso ninguém o faça. E, desta maneira, o filhote aprende a fazer errado.

Como evitar? Sempre manter os espaços de criadouros higienizados e a boa saúde dos cães com alimentos completos e balanceados, adequados à idade e controle de parasitas. Outra dica é restringir acesso deles às caixas de areia dos gatos.

Buscar orientação de um veterinário é fundamental, afirma a veterinária. Em caso de deficiência nutricional, exames apontarão a causa e, consequentemente, o tratamento correto. Se o problema for comportamental, há produtos que auxiliam o animal. Bárbara cita como exemplo um sachê da rede para misturar ao alimento e que altera cheiro e sabor das fezes, evitando o interesse do cão.

Deixe uma resposta

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies
error: O conteúdo está protegido !!