Como escolher o nome para o seu cachorro ou gato

Foto: Cris Assanuma

Pode parecer um tema ridículo para um post. Mas juro que esse foi o meu grande desafio com a chegada da Aurora, minha recém adotada cachorrinha. Qual o nome ideal para dar para um cachorro ou gato?

Depois de decidir qual chihuahua eu iria adotar, começou a saga: qual o nome?! Com a foto dela em mãos, pensei em vários. Porém nenhum parecia soar bem.

Pedi a opinião de amigos, de parentes, de pessoas que eu mal conhecia. Busquei lista de nomes na internet. Até procurei comidas douradas para fazer um brain storm. Linhaça e Maricota ainda não me convenciam…. Pensei naquelas nomes básicos, como Lalá ou Tita. Mas também não era por aí que eu queria. Não tenho nenhum grande ídolo para homenagear… E agora, qual nome colocar?!

Uma mistura de angústia e ansiedade se instalou. Até que me disseram: “quando ela chegar, pega ela no colo que o nome vem”. Oi?! Como o nome vem? Baixa o espírito do nome e sussurra no meu ouvido? É cada uma que o povo inventa…

Mesmo descrente, tentei me acalmar e esperar pela chegada da fofinha sem nome. Foram horas de ansiedade pela sua chegada. A pessoa encarregada pelo transporte se atrasou. Não via a hora de olhar para ela e pensar no nome!

Foto: Luiza Cervenka

Chegou o momento! Ela veio para o meu colo e…. NADA! Nenhuma ideia, nenhum nome, nenhum assoprão. Não fiquei chateada ou frustada. Afinal, aquele serzinho, mesmo sem nome já era minha maior paixão. Mas eu iria chamá-la de fofinha até quando?!

Fomos para casa. No caminho, milhões de ideias passaram pela minha cabeça, mas nenhuma fazia meu coração bater mais forte. Mesmo assim, fui conversando com ela, durante o trajeto. Expliquei que a partir daquele momento ela iria para minha casa e seria minha companheira para sempre. Nunca mais ela passaria por situações de medo ou angústia. Eu iria protege-la!

Chegamos no prédio. Parei o carro. Subimos no elevador. Cheguemos no meu andar e coloquei a sem nome no chão. Fiquei um pouquinho ali com ela, para uma rápida apresentação dos cheiros e afins. Contei que ela teria três irmãos gatos, que todos eram bonzinhos e estavam a espera dela.

Quando fui abrir a porta, olhei para trás e chamei com a maior naturalidade do mundo: “vem Aurora!”. Oi?! Aurora?! De onde surgiu esse nome? Não estava em nenhuma das minhas listas e muito menos passou pela minha cabeça.

Eu olhei pra ela e chamei de novo “vem Aurora!”. Ela olhou bem fundo nos meus olhos e abanou o rabo para mim, pela primeira vez. Parece que ela gostou do novo nome. Mesmo encafifada, esqueci o assunto. Entramos em casa, ela conheceu os gatos, a caminha e todo o apartamento. Rapidamente ela já se sentiu em casa, confortável.

Foto: Luiza Cervenka

Depois, já batizada, contei para as pessoas sobre a escolha do nome. A protetora arrepiou. A voluntária da ONG, se emocionou. A veterinária sentiu um aperto no coração. Parecia que todo mundo havia entendido que esse era o real nome dela. Como se ela quisesse se chamar assim. Como se esse nome fosse obviamente o dela há muito tempo. Mas somente eu teria descoberto, após passar por tantas mãos.

Conversando com a Sheila Waligora, veterinária, especialista em comunicação com animais, ela me explicou que houve uma comunicação entre nós duas. E, sim, a Aurora me contou o nome dela. Não fui eu que inventei. Mas seria isso possível?! A Sheila confirmou que todos nós, humanos, temos a possibilidade de nos comunicarmos e ouvirmos, mesmo que com o coração, as mensagens enviadas por animais, plantas e pedras. Para ouvir, basta acalmar o pensamento, entrar em contato com seu eu mais profundo e confiar no sopro ou intuição.

Você está assustado?! Imagine eu!!! E o pior (ou melhor) eu lembrei que o mesmo aconteceu com a Pérola, minha gata! Ela também me contou seu nome. Após me seguir até minha casa, a Pérola driblou meus cães, subiu no meu sofá e adormeceu. Quando perguntaram o nome dela, sem hesitar disse: “Pérola”. Não faço a menor ideia de onde surgiu isso. A única explicação é realmente a comunicação.

Cats 99/Creative Commons

Para garantir que não havia me enganado, chamei a Aurora de outro nome, tipo Chica ou Paçoca. Para meu espanto, fui solenemente ignorada. Mas bastou chamar Aurora e ela veio correndo. Mesmo eu estando no quarto e ela na sala.

Em míseras 48h, eu podia chamar Aurora de onde eu estivesse. Em poucos segundos duas orelhas douradas e uma língua pendurada apareciam. Já fiz o teste em parques, multidão, no escuro e o resultado é sempre o mesmo: ela atende quando chamada por Aurora.

Por isso, não precisa se preocupar com o nome do seu futuro bichinho. Na hora, você vai olhar para ele e saber qual o nome ideal. Acredite. Não em mim, mas em você mesmo.

Esqueça qualquer lista de nomes encontrada na internet. Confie em você. Silencie seu coração e aceite receber uma intuição com o melhor nome para o seu peludo.

Deixe uma resposta

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies
error: O conteúdo está protegido !!