Pesquisadores identificam cães com coronavírus no Brasil; saiba o que muda e como proteger o pet

Um buldogue francês e um vira-lata são os primeiros cães no Brasil oficialmente contaminados pelo Sars-CoV-2, vírus que causa a Covid-19 em humanos. A informação foi divulgada nesta semana pela UFPR (Universidade Federal do Paraná), que coordena um estudo para analisar cães e gatos em seis capitais do país.

Desde o início da pandemia, outros animais domésticos também receberam diagnóstico de coronavírus em diversas partes do planeta. Especialistas mantêm a afirmação desde então: não há indícios de que cães e gatos transmitam a doença a humanos. São os humanos, ao que tudo indica, que contaminam os animais, segundo informações da FDA (agência de controle de drogas e alimentos, com função similar à da Anvisa) e do CDC (Centros de Controle de Doenças), ambos dos Estados Unidos.

Por isso, a confirmação agora dos cães com Sars-CoV-2 no país não deve causar temor. Além disso, cães são aliados da ciência e foram treinados  até para detectar coronavírus em passageiros em aeroportos.

Ambos os cães com presença do Sars-CoV-2 são de Curitiba. O buldogue francês é adulto, e seu tutor recebeu resultado positivo na última semana, sem saber onde se infectou. Segundo a UFPR, ele disse à equipe de pesquisa ter notado leve secreção nasal no animal, que dorme em sua cama.

No caso do vira-lata, a tutora afirmou que seus quatro cães, que dormem na cama com ela, tiveram discretos episódios de espirros. Todos os moradores da casa contraíram Covid, mas o vírus foi identificado apenas em um dos animais.

Em outubro, pesquisadores já haviam confirmado a presença de Sars-CoV-2 em uma gata de Cuiabá (MT). Ela contraiu o vírus de seus donos, contaminados em uma festa de família, em setembro, e não teve sintomas.

De acordo com o professor Alexander Biondo, da UFPR e coordenador do estudo nacional, os animais podem se infectar pelo vírus, mas isso não se equivale a dizer que eles têm a doença ou são transmissores. Estudos já publicados indicam que gatos podem se infectar e transmitir para outros gatos, mas não há dados para cães.

Ainda segundo o Biondo, o contato entre humanos e pets pode infectar os bichinhos e, por isso, é indicado o distanciamento e o uso de máscara em caso de tutores que testarem positivo. A máscara de proteção, no entanto, não é indicada aos animais.

Apesar de não serem transmissores da doença, cuidados de higiene adotados desde o início da pandemia devem ser mantidos com rigor para proteger pets e tutores. Isso porque há possibilidade de o animal, por exemplo, levar o vírus para casa por meio das patas ou pelos, se alguém infectado tossir ou espirrar próximo ou animal ou fizer um carinho com a mão contaminada.

Do outro lado, a recomendação é que o tutor doente evite o contato direto com o pet para que ele não leve o vírus para fora de casa em sua pelagem e contamine alguém que, inadvertidamente, brincar com ele.

CUIDADOS

Relembre alguns cuidados, segundo veterinários:

> Passeios – manter passeios mais curtos, com distanciamento social e em locais sem aglomerações. Com os cuidados, as saídas são benéficas aos animais –não só para que o ele faça as necessidades, mas para que se exercite.

> Sabão para as patinhas – as patinhas devem ser higienizadas com água e sabão neutro a cada volta para casa. A veterinária Carla Berl, fundadora da rede de clínicas Pet Care, sugere o uso de xampu infantil ou sabonete de glicerina. “Se ele sair três vezes por dia, vai ter que lavar três vezes por dia. Que seja um sabão que não agrida muito, para não machucar a pele do animal, porque ele não está acostumado com isso”, afirma.

> Banho – Depois da lavagem, o tutor deve enxugar muito bem as patinhas e pode até usar papel toalha para absorver bem o excesso de água. É possível usar também lenços antissépticos na limpeza dos pelos, de acordo com especialistas. Mas banhos completos não devem ser diários, para não agredir a pele do animal. Caso o banho seja feito em pet shop, todos os protocolos de higiene e segurança devem ser seguidos.

> Sem álcool em gel – O produto usado por humanos contra o vírus não é indicado para os animais –e pode causar lesões na pele. Há produtos específicos para pets.

> Roupinha – Para o tutor preocupado com eventual contaminação, Carla sugere duas opções antes de sair de casa: colocar no animal uma camisetinha fina de algodão para proteger os pelos —que deve ser tocada a casa passeio—, e usar botinhas de chuva —o animal pode estranhar no começo, mas elas evitam o contato direto com o solo e são laváveis.

> Máscara – Não há necessidade de máscaras para cães e gatos, já que o vírus associado à Covid-19 é diferente daquele já conhecido no meio veterinário e que provoca vômitos e diarreias nos pets –e não é transmitido aos humanos.

> Limpeza – A pessoa infectada não deve ter acesso aos brinquedos dos animais já que, na maioria das vezes, é preciso pegar o objeto com as mãos para divertir o pet. Segundo Adriana Souza dos Santos, clínica geral da AmahVet, brinquedos que tenha contato direto com a boca do animal devem ser lavados antes e depois da brincadeira.

> Abraços e lambeijos – A recomendação é evitar proximidade de uma pessoa infectada com o pet, já que ela pode deixar o vírus em sua pelagem. Contra uma possível transmissão, lave bem as mãos antes e depois de interagir com o animal, diz Adriana.

O PROJETO DA UFPR

O projeto coordenado pela UFPR será realizado em Curitiba, Belo Horizonte, Campo Grande, Recife, São Paulo e Cuiabá. Segundo a universidade, serão dois momentos de avaliação, com amostras biológicas coletadas com intervalo médio de sete dias, entre animais cujo tutor esteja em isolamento domiciliar, com diagnóstico laboratorial confirmado por teste PCR ou resposta imunológica apenas por anticorpos IgM.

Em Curitiba, pesquisadores farão a coleta em domicílio. Os resultados dos testes serão informados aos tutores e, se positivo, os outros animais da casa também serão testados. Além disso, os familiares serão orientados fazer o acompanhamento veterinário do animal por 14 dias e intensificar medidas de higiene.

De acordo com Biondo, o estudo “pode dar resposta definitiva sobre a susceptibilidade e o papel de cães e gatos como reservatórios do vírus”.

(Imagem: Adobe Stock)

*

Siga o Bom Pra Cachorro no Facebook, no Instagram ou no Twitter.

Quer ver a história do seu pet publicada ou quer sugerir reportagem? Mande para bompracachorroblog@gmail.com  ou marque no Instagram

//platform.twitter.com/widgets.jshttps://platform.instagram.com/en_US/embeds.js

Deixe uma resposta

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies
error: O conteúdo está protegido !!