Maioria dos tutores subestima sobrepeso de cães, mostra pesquisa

Eles podem parecer fofinhos, mas animais com sobrepeso e obesidade também podem sofrer com problemas de saúde. A família é parte importante: hábitos e comportamentos estão associados ao desenvolvimento da doença.

Uma pesquisa realizada pela USP mostra que a maioria dos tutores não é capaz de identificar a condição física do cachorro.

O levantamento divulgado agora foi feito de novembro de 2017 a novembro de 2018, com 285 cães de 221 tutores, e teve incentivo da fabricante de alimentos Royal Canin.

Segundo a empresa, mais de 40% dos cães apresentam sobrepeso e obesidade na cidade de São Paulo e na região metropolitana. A pesquisa aponta que 63% dos tutores entrevistados subestimaram a condição corporal do animal, 26% disseram acreditavam que o pet tinha uma condição corporal ideal e 80% deles não foram capazes de identificar o sobrepeso e a obesidade no cão.

Para o trabalho, por amostragem, foram feitas visitas domiciliares, e tutores responderam a questionário sobre saúde, comportamento, hábitos alimentares e condições socioeconômicas.

Tutores com hábitos alimentares pouco saudáveis foram associados ao ganho de peso do animal —e uma hipótese é que esses hábitos possam ser transferidos aos seus pets. Cães que moram na mesma casa que uma pessoa idosa também são predispostos ao ganho de peso. Para a marca, isso pode refletir falta de caminhadas e de exercícios físicos. Além disso, esses tutores costumam passar mais tempo com os animais, o que aumenta as chances de o pet ganhar mais petiscos entre as refeições.

O objetivo do estudo era compreender os fatores da obesidade canina e levantar as melhores maneiras de abordar os tutores para a prevenção da doença.

“A manutenção do peso em pets é uma questão muito complexa, que ainda exige compreensão e empenho dos tutores. Acreditamos que este estudo, desenvolvido pela USP, é mais um importante material de referência sobre o tema, além de ser inédito no Brasil”, diz Cíntia Fuscaldi, coordenadora de relacionamento científico da Royal Canin.

Os pesquisadores identificaram que a prevalência de sobrepeso atingiu cerca de 26% e de obesidade, aproximadamente, 15% dos animais. Segundo análise dos  responsáveis, os resultados foram semelhantes aos encontrados no Reino Unido, Japão, China e Espanha, onde as estimativas da prevalência combinada de sobrepeso e obesidade variaram de 38% a 60%.

A alimentação correta não é o único fator para controlar o peso do pet. Ele precisa de exercícios regulares, e o tutor deve sempre consultar o veterinário e manter exames de rotina do animal.

(Foto: Adobe Stock)

Deixe uma resposta

error: O conteúdo está protegido !!