Maioria dos tutores subestima sobrepeso de cães, mostra pesquisa

Eles podem parecer fofinhos, mas animais com sobrepeso e obesidade também podem sofrer com problemas de saúde. A família é parte importante: hábitos e comportamentos estão associados ao desenvolvimento da doença.

Uma pesquisa realizada pela USP mostra que a maioria dos tutores não é capaz de identificar a condição física do cachorro.

O levantamento divulgado agora foi feito de novembro de 2017 a novembro de 2018, com 285 cães de 221 tutores, e teve incentivo da fabricante de alimentos Royal Canin.

Segundo a empresa, mais de 40% dos cães apresentam sobrepeso e obesidade na cidade de São Paulo e na região metropolitana. A pesquisa aponta que 63% dos tutores entrevistados subestimaram a condição corporal do animal, 26% disseram acreditavam que o pet tinha uma condição corporal ideal e 80% deles não foram capazes de identificar o sobrepeso e a obesidade no cão.

Para o trabalho, por amostragem, foram feitas visitas domiciliares, e tutores responderam a questionário sobre saúde, comportamento, hábitos alimentares e condições socioeconômicas.

Tutores com hábitos alimentares pouco saudáveis foram associados ao ganho de peso do animal —e uma hipótese é que esses hábitos possam ser transferidos aos seus pets. Cães que moram na mesma casa que uma pessoa idosa também são predispostos ao ganho de peso. Para a marca, isso pode refletir falta de caminhadas e de exercícios físicos. Além disso, esses tutores costumam passar mais tempo com os animais, o que aumenta as chances de o pet ganhar mais petiscos entre as refeições.

O objetivo do estudo era compreender os fatores da obesidade canina e levantar as melhores maneiras de abordar os tutores para a prevenção da doença.

“A manutenção do peso em pets é uma questão muito complexa, que ainda exige compreensão e empenho dos tutores. Acreditamos que este estudo, desenvolvido pela USP, é mais um importante material de referência sobre o tema, além de ser inédito no Brasil”, diz Cíntia Fuscaldi, coordenadora de relacionamento científico da Royal Canin.

Os pesquisadores identificaram que a prevalência de sobrepeso atingiu cerca de 26% e de obesidade, aproximadamente, 15% dos animais. Segundo análise dos  responsáveis, os resultados foram semelhantes aos encontrados no Reino Unido, Japão, China e Espanha, onde as estimativas da prevalência combinada de sobrepeso e obesidade variaram de 38% a 60%.

A alimentação correta não é o único fator para controlar o peso do pet. Ele precisa de exercícios regulares, e o tutor deve sempre consultar o veterinário e manter exames de rotina do animal.

(Foto: Adobe Stock)

Deixe uma resposta

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies
error: O conteúdo está protegido !!